Espumas e borbulhas dos espumantes

A espuma dos vinhos espumantes é um convite ao brinde. A espuma que vemos se formar nas taças de espumantes provém do desprendimento de gás carbônico formado durante a fermentação e aprisionado nas garrafas.

Quando a garrafa está fechada, o gás carbônico sob forte pressão fica dissolvido no vinho, preso pela rolha com ajuda da gaiola, invólucro de metal que a firma na garrafa.

Quando o espumante é aberto, a pressão na garrafa se iguala à do ambiente e faz com que o gás se acumule nas imperfeições do vidro e se expanda formando as bolhas, que sobem em direção à liberdade do ambiente. 

Quando servido, como consequência, se forma uma coroa de espuma no contato com o ar que se adere às paredes da taça. A coloração, os reflexos e sua persistência são apreciadas em uma avaliação visual prazerosa.

Normalmente em alguns segundos a espuma se dissolve reduzindo-se a uma forma de anel aderido à parede do copo, iniciando-se a formação do “perlage”.

Sobre o perlage

O “perlage”, corresponde ao desprendimento lento do gás carbônico, e é visualizado sob a elegante dança de pequenas bolhas do fundo das taças em direção à superfície do líquido. Quanto menor forem as bolhas mais apreciado será o vinho.

O tamanho e a duração das bolhas estão diretamente relacionados com a temperatura no período de formação de espuma, além da viscosidade do vinho e do formato da taça. Um espumante cuja formação de espuma foi conduzida à baixa temperatura apresentará um desprendimento mais demorado e será formado por bolhas mais finas. Quanto maior a viscosidade do vinho, maior e mais demorado será o desprendimento do gás e, consequentemente, mais se prolongará o “perlage”.

Qual a influência das taças

As taças de formato estreito e longo, tipo tulipa exaltarão a formação de bolhas mais finas e o tempo de desprendimento. Mas a participação não é somente visual, o perlage atua nas sensações gustativas pois provoca uma leve excitação nas mucosas da boca que favorece a percepção do gosto e do aroma dos espumantes. 

É importante assinalar a redução do gosto doce e o aumento da sensação ácida, o que leva a uma classificação especial para os espumantes quanto ao teor de açúcar. Por adsorção e devido à tensão superficial, pequenas bolhas de gás carregam e concentram as substâncias aromáticas até a superfície, com um evidente favorecimento das características organolépticas dos vinhos espumantes.

Portanto ao brindar podemos aproveitar para observar e usufruir das espumas e do perlage dos espumantes.

Agora que você entendeu como se formam a espuma e borbulhas dos espumantes, baixe o nosso Catálogo Celebre seus momentos em grande estilo e descubra os melhores espumantes para celebrar os seus momentos.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin