O ciclo das uvas

As videiras são plantas perenes, que apresentam um descanso vegetativo no inverno e que reagem às condições climáticas iniciando um ciclo de produção que se repete anualmente.

Como trata-se de uma planta trepadeira e que é cultivada comercialmente em um espaço limitado por um sistema de condução, anualmente se realiza a poda, ou seja, o corte dos ramos de maneira a que restem gemas de brotação mais próximas possíveis ao caule principal para dar origem ao novo ciclo.

Como acontece o ciclo

Ao primeiro estímulo de calor e disponibilidade de água no solo, as plantas iniciam a fase da brotação emitindo novos pequenos ramos. Estes ramos se desenvolvem emitindo por sua vez, pequenas folhas, gavinhas que são os órgãos de fixação, e as inflorescências que darão origem às flores e aos frutos. 

Com o crescimento dos ramos crescem também os demais órgãos, os ramos se fixam e as folhas se desenvolvem assim como as inflorescências.

As flores que aparecem em seguida na floração são reunidas na forma de cacho. As flores são minúsculas, de 5 pétalas pequenas e verdes apresentam um delicado perfume típico da resedá ou extremosa como também é conhecida.

Muitas espécies de videiras possuem flores hermafroditas, ou seja com órgãos masculinos e femininos na mesma flor, portanto autofecundáveis. Em alguns dias ocorre o florescimento e a fecundação por indução climática, seja por foto ou termo período.

A flor fecundada se transforma em pequeno fruto inicialmente atingindo o denominado tamanho chumbinho, que evolui para grão ervinha até crescer ao ponto de ser denominado de baga. Assim como as flores que os deram origem são reunidos em cachos que podem ter tamanhos variados, serem compactos ou soltos, dependendo do número de bagas neles fixados.

No decorrer da frutificação observa-se que nem sempre ela ocorre de forma homogênea entre as bagas, e muito menos entre os cachos de uma mesma planta. Isso se deve a fecundação que acontece de forma variada de acordo com a exposição, calor e umidade em que se encontra cada flor em relação às demais.

No decorrer da maturação ocorre uma mudança drástica na aparência e na composição dos frutos, a denominada pinta das bagas, que nas uvas tintas mudam do verde para o preto e nas uvas brancas, que permanecem verdes, mudam a turgescência e ganham tons amarelados e dourados.

A partir deste momento as mudanças são mais de ordem química e bioquímica que visual. Os teores de açúcar aumentam, os dos ácidos diminuem assim como os taninos e formam-se os aromas ou precursores de aromas característicos de cada variedade.

Quando atingem determinados padrões ocorre a colheita que nas uvas é denominada de vindima. Quando as uvas são colhidas as plantas permanecem com suas folhas, recebendo a insolação e as mudanças de temperaturas com a entrada do outono.

Os ramos se tornam mais lenhosos graças a armazenagem de amido que será utilizado no próximo ciclo, como forma de energia, as folhas caem e a planta entra em descanso vegetativo até que os primeiros sinais de temperatura e fotoperíodo estimulem o ressurgimento da vida no vinhedo através de um novo ciclo.

Gostou do assunto e quer aprender mais sobre as uvas? Leia este artigo Os tipos de uva, seu cultivo e finalidade.

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin